O copyright em políticas internacionais de gestão de dados de pesquisa

Eduardo Graziosi Silva, Daniel Martínez-Ávila

Resumo


A criação de novos serviços nas bibliotecas universitárias tem sido realizada para atender demandas antes não existentes. Dentre elas, destaca-se a gestão de dados de pesquisa, que envolve a coleta, organização, tratamento e disponibilização de dados de pesquisa. No que se refere à disponibilização, há que se ter em mente os usos possíveis para os dados. Para tanto, deve estar prevista uma política de gestão dos dados que inclua, dentre outros elementos, o copyright. Assim, levantou-se uma amostra mundial a partir de um ranking universitário das cinco primeiras instituições classificadas para identificar se suas bibliotecas oferecem o serviço de gestão de dados de pesquisa e, em caso positivo, se possuem ou não a política desse serviço disponível ao público e, finalmente, se ela aborda ou não o copyright. Constatou-se a menção ao copyright nas políticas de gestão de dados em universidades da África, da Europa e da Oceania, mas não dos Estados Unidos; e no Brasil uma única universidade apresenta informações e iniciativas sobre gestão de dados científicos.

Texto completo:

PDF

Referências


ADAMS BECKER, S. et al. NMC Horizon Report: 2017 library edition. Austin: The New Media Consortium, 2017. Disponível em: . Acesso em: 30 nov. 2017.

CHABOT, L. et al. 2016 top trends in academic libraries: a review of the trends and issues affecting academic libraries in higher education. College and Research Libraries News, Chicago, v. 77, n. 6, 2016. Disponível em: . Acesso em: 30 nov. 2017.

COX, A. M.; VERBAAN, E. How Academic librarians, IT staff, and research administrators perceive and relate to research. Library & Information Science Research, Norwood, v. 38, n. 4, p. 319-326, 2016. Disponível em: < https://doi.org/10.1016/j.lisr.2016.11.005>. Acesso em: 24 nov. 2017.

DILLEN, W.; NEYT, V. Digital scholarly editing within the boundaries of copyright restrictions. Digital Scholarship in The Humanities, Oxford, v. 31, n. 4, p. 785-796, 2016. Disponível em: . Acesso em: 24 nov. 2017.

FUNDAÇÃO DE AMPARO À PESQUISA DO ESTADO DE SÃO PAULO. São Paulo: [s.n.], [201-?]. Disponível em: . Acesso em: 30 out. 2017.

INSTITUTO BRASILEIRO DE INFORMAÇÃO EM CIÊNCIA E TECNOLOGIA. Manifesto de acesso aberto a dados de pesquisa brasileira para ciência cidadã. [S.l.: s.n.], 2016. Disponível em: . Acesso em: 4 nov. 2017.

KOLTAY, T. Research 2.0 and research data services in academic and research libraries: priority issues. Library Management, Bradford, v. 38, n. 6/7, p. 345-353, 2017. Disponível em: . Acesso em: 29 out. 2017.

ORGANISATION FOR ECONOMIC CO-OPERATION AND DEVELOPMENT. OECD principles and guidelines for access to research data from public funding. OECD: [S.l.], 2007. Disponível em: . Acesso em: 6 nov. 2017.

PATEL, D. Research data management: a conceptual framework. Library Review, Bingley, v. 65, n. 4-5, p. 226-241, 2016. Disponível em: . Acesso em: 24 nov. 2017.

SAYÃO, L. F. SALES, L. F. Guia de gestão de dados de pesquisa para bibliotecários e pesquisadores. Rio de Janeiro: CNEN, 2015. Disponível em: . Acesso em: 30 out. 2017.




DOI: https://doi.org/10.22478/ufpb.2358-3908.2018v5n1.38415

Apontamentos

  • Não há apontamentos.


Licença Creative Commons
Os documentos disponibilizados por Informação & tecnologia foram licenciados por uma Licença Creative Commons - Atribuição-Não Comercial-Compartilha Igual 3.0 Brasil

ISSN 2358-3908

Informação & Tecnologia está registrada e/ou indexada através dos seguintes serviços: