PRODUÇÃO DOS RÓTICOS DURANTE A AQUISIÇÃO DA LINGUAGEM ESCRITA: A LÍNGUA DE IMIGRAÇÃO HUNSRÜCKISCH

Giovana Ferreira Gonçalves, Felipe Bilharva da Silva, Helena Cristina Weirich

Resumo


Situado no conjunto dos estudos que analisam a relação entre os sistemas linguísticos presentes em indivíduos bilíngues, este trabalho tem como objetivo investigar a produção oral e escrita dos segmentos róticos por crianças estudantes da 3ª, 5ª e 7ª séries de uma escola pública localizada na cidade de Agudo, região de colonização alemã. A fim de obter os dados que compuseram a pesquisa, foram realizadas coletas de narrativas orais – captadas com o recurso de gravadores digitais Oregon Scientific VR-636 – e escritas, produzidas pelos referidos estudantes, divididos em monolíngues (grupo M) e bilíngues (grupo B), baseando-se, para tal, na história não verbal Frog, where are you? (Mayer, 1969). A coleta foi realizada no ano de 2009, constituindo uma amostra de dados transversal. Após a digitalização de todo o material coletado, os itens lexicais constituídos por róticos foram separados em quadros, os quais indicaram se a produção atingia ou não a forma alvo e, em caso de negativa, qual fora a estratégia de substituição utilizada pelo falante. O total de acertos foi contabilizado em quadros – divididos por série e por grupo – e uma análise estatística foi realizada, com o auxílio do programa SPSS Statistics, versão 17.0, a fim de verificar se havia diferença significativa entre o índice de trocas dos grupos B e M. Os resultados apontaram que a língua de imigração Hunsrückisch, falada no município, influencia tantos monolíngues quanto bilíngues, gerando trocas em diversas posições silábicas.

Texto completo:

PDF


Licença Creative Commons   



O trabalho da Revista Eletrônica da UFPB Prolíngua foi licenciado com uma Licença Creative Commons - Atribuição-NãoComercial-CompartilhaIgual 3.0 Brasil