Imagem para capa

PRODUTIVIDADE DE ESPIGAS E GRÃOS VERDE DE MILHO ADUBADO COM FONTES E DOSES DE NITROGÊNIO

Damiana Ferreira da Silva Dantas, Ademar Pereira de Oliveira, Natália Vital da Silva Bandeira, Suany Maria Gomes Pinheiro, Tony Andreson Guedes Dantas, Ovidio Paulo Rodrigues da Silva

Resumo


A adubação nitrogenada desempenha papel importante no rendimento produtivo do milho, estando entre os fatores que mais influenciam a produtividade dessa cultura. O objetivo deste trabalho foi avaliar a resposta do milho a adubação com fontes e doses de N. O experimento foi conduzido no período de julho a outubro de 2012 em condições de campo na Universidade Federal da Paraíba, em Areia-PB. O delineamento experimental foi em blocos casualizados, em esquema fatorial 5 x 2, com cinco doses de N (0, 50, 100, 150 e 200 kg ha-1) e duas fontes de N (sulfato de amônio e uréia), em quatro repetições. A produtividade de espigas aumentou de forma linear obtendo-se com a dose de 200 kg ha-1 de N nas fontes sulfato de amônio e uréia, respectivamente, 15 e 16 t ha-1. A dose máxima de 200 kg ha-1 de N foi responsável pelas produtividades de grãos de 1,25 e 1,15 t ha-1 nas fontes sulfato de amônio e uréia, respectivamente. As máximas massas médias de espigas foram de 268 e 262 g obtidas, respectivamente, na dose de 130 kg ha-1 de N na fonte sulfato de amônio e 124 kg ha-1 de N na fonte uréia. Na fonte sulfato de amônio o teor de N foliar foi de 32 g kg-1 obtido na dose de 200 kg ha-1 de N e na fonte uréia a dose de 123 kg ha-1 foi responsável pelo teor máximo de N foliar de 35 g kg-1.

Texto completo:

PDF


DOI: https://doi.org/10.25066/agrotec.v35i1.18967

Revista Agropecuária Técnica
ISSN impresso 0100-7467
ISSN online 2525-8990


Este periódico está indexado em:




Índice h (Google Scholar)=14


Licença Creative Commons
Este obra está licenciado com uma Licença Creative Commons Atribuição-NãoComercial-CompartilhaIgual 4.0 Internacional