Imagem para capa

EMERGÊNCIA E CRESCIMENTO INICIAL DE PLÂNTULAS DE REPOLHO cv. CHATO DE QUINTAL SOB ESTRESSE SALINO

Fernanda Andrade de Oliveira, Francisco Vanies da Silva Sá, Emanoela Pereira de Paiva, Erbia Bressia Gonçalves Araújo, Maria Kaline do Nascimento Silva, Rayane Amaral de Andrade, Romulo Carantino Lucena Moreira, Lauter Silva Souto

Resumo


Objetivou-se avaliar a emergência e o crescimento inicial de plântulas de repolho cv. Chato de Quintal sob diferentes níveis de salinidade da água de irrigação. O experimento foi desenvolvido em ambiente protegido (casa de vegetação) do Centro de Ciências e Tecnologia Agroalimentar - CCTA da Universidade Federal de Campina Grande - UFCG, localizado no município de Pombal, Paraíba, PB. O estudo foi arranjado em um delineamento experimental inteiramente casualizado, avaliando-se cinco níveis de salinidade da água de irrigação (0,6; 1,2; 1,8, 2,4 e 3,0 dS m-1) com quatro repetições e dez plantas por repetição. As plântulas foram conduzidas por 30 dias após a semeadura período no qual avaliou-se as variáveis: velocidade e percentagem de emergência, altura, diâmetro do caule, número de folhas, massa seca da parte aérea e raízes e a relação raiz/parte aérea. O aumento da salinidade da água de irrigação afeta a emergência, o crescimento inicial e o acúmulo de massa seca das plântulas de repolho cv. Chato de Quintal. A irrigação com água de até 1,8 dS m-1 é viável para irrigação do repolho cv. Chato de Quintal, porém com breves reduções em seu crescimento.

Texto completo:

PDF


DOI: https://doi.org/10.25066/agrotec.v36i1.24682

Revista Agropecuária Técnica
ISSN impresso 0100-7467
ISSN online 2525-8990


Este periódico está indexado em:




Índice h (Google Scholar)=14


Licença Creative Commons
Este obra está licenciado com uma Licença Creative Commons Atribuição-NãoComercial-CompartilhaIgual 4.0 Internacional