Avaliação de inseticidas para o controle de tripes Frankliniella spp. em roseira

Winnie Cezario Fernandes, Ruan Carlos de Mesquita Oliveira, Patrik Luiz Pastori, Fabrício Fagundes Pereira, Maurício Sekiguchi de Godoy

Resumo


O controle químico de Frankliniella spp. em roseiras é a forma mais usual de controle utilizada pelos produtores de plantas ornamentais. Para avaliar a ação inseticida de possíveis produtos fitossanitários para o controle de tripes em roseiras, foi conduzido o experimento, em campo, no município de São Benedito, Ceará, Brasil. Para o controle de Frankliniella spp. foram testados os inseticidas: óleo de neem emulsionado (azadiractina), espinosade, piriproxifem e xileno, tiametoxam e lambda-cialotrina, lufenurom, imidacloroprido e beta-ciflutrina, buprofezina, clorfenapir, cloridrato de formetanato e testemunha (água). As avaliações foram realizadas 24, 48 e 72 horas após a aplicação dos tratamentos, por meio da contagem direta de ninfas e adultos em 30 botões florais (15 botões analisados direto no campo e 15 individualizados em copos plásticos de 300 mL e analisados em ambiente controlado) por tratamento. De maneira geral, os produtos fitossanitários estudados causaram mortalidade nas dosagens utilizadas em condições extremas, ou seja, no interior dos botões florais fechados, permitindo ampliar as alternativas (quando oficialmente registrados) para o controle de Frankliniella spp.

Texto completo:

PDF


DOI: https://doi.org/10.25066/agrotec.v38i1.32326

Revista Agropecuária Técnica
ISSN impresso 0100-7467
ISSN online 2525-8990


Este periódico está indexado em:




Índice h (Google Scholar)=14


Licença Creative Commons
Este obra está licenciado com uma Licença Creative Commons Atribuição-NãoComercial-CompartilhaIgual 4.0 Internacional