Fitomassa e produção em genótipos de batata-doce na região do brejo paraibano

Luciana Menino Guimarães, Ademar Pereira de Oliveira, Antonio Missiemario Pereira Bertino, Aline Batista Belem, Janailson Pereira de Figueredo

Resumo


Na região Nordeste do Brasil, a batata-doce é cultivada por pequenos produtores em sistema de agricultura familiar, constituindo-se uma alternativa para alimentação e geração de emprego e renda. Objetivou-se com este trabalho avaliar a fitomassa e produção de genótipos de batata-doce na região do brejo paraibano. O trabalho foi realizado na Universidade Federal da Paraíba, em Areia-PB, em delineamento experimental blocos casualizados, com seis tratamentos e quatro repetições. Foram avaliadas a massa verde e seca planta-1, massa média de raízes, número e produção de raízes comerciais planta-1 e produtividades total e comercial de raízes. O genótipo Rainha Branca e paraíba apresentaram maiores valores para a massa verde e seca planta-1. Raízes com maior massa média foram produzidas no genótipo Rainha branca. O número de raízes e produção de raízes comerciais e planta-1 foram superiores nos genótipo Jardim Vitaminada e Paraíba. Maiores produtividades total de raízes foram alcançadas nos genótipos Melindrosas e Paraíba, enquanto que a mais elevadas produtividades de raízes comerciais foram obtidas nos genótipos Melindrosa, Paraíba e Jardim Vitaminada. Diante do exposto, todos os genótipos se adaptaram as condições da região de Areia-PB.

Texto completo:

PDF


DOI: https://doi.org/10.25066/agrotec.v39i1.35419

Revista Agropecuária Técnica
ISSN impresso 0100-7467
ISSN online 2525-8990


Este periódico está indexado em:




Índice h (Google Scholar)=14


Licença Creative Commons
Este obra está licenciado com uma Licença Creative Commons Atribuição-NãoComercial-CompartilhaIgual 4.0 Internacional