Efeitos da compatibilidade entre porta-enxerto vs enxerto de cajueiro comum em viveiro.

José Bruno Rego de Mesquita, João Rodrigues de Paiva, Gleydson Vieira Marques, Alexandre Campos Nunes

Resumo


O trabalho teve como objetivo, avaliar os efeitos da compatibilidade entre oito porta-enxerto, sendo seis de clones de cajueiro comum e dois do tipo anão precoce, desde a germinação da semente até a formação da muda em viveiro. A pesquisa foi conduzida no Campo Experimental de Pacajus, pertencente à Embrapa Agroindústria Tropical. Foram utilizados como porta-enxerto os clones de cajueiro comum: 18, 26, 28, 30, BRS 274, BRS 275 e anão precoce CCP 06 e CCP 76 (testemunha). Foram avaliadas as características morfológicas da semente, a percentagem de germinação, o vigor dos porta-enxertos e das enxertias, o rendimento da enxertia e um índice de classificação dos clones. Os resultados mostraram que para as características morfológicas das sementes, os clones do tipo comum foram superiores ao do tipo anão precoce. Já em relação à germinação da semente, no geral, os clones anãos precoce, obtiveram maior poder germinativo que os clones do tipo comum. Para a variável vigor dos porta-enxerto, houveram diferença estatística quando comparados, separadamente e entre si, aos clones de cajueiro anão precoce e comum. A variável vigor da enxertia mostrou que a relação porta-enxerto vs enxerto afetou apenas a altura das plantas quando usado o enxerto BRS 274 e que os clones Comum 18, 26, 28 e 30, diferiram em relação à altura e o diâmetro de caule. Quanto ao índice de classificação, a melhor interação encontrada foi entre o BRS 275 vs BRS 275.

Texto completo:

PDF


DOI: https://doi.org/10.25066/agrotec.v31i1.3805

Revista Agropecuária Técnica
ISSN impresso 0100-7467
ISSN online 2525-8990


Este periódico está indexado em:




Índice h (Google Scholar)=14


Licença Creative Commons
Este obra está licenciado com uma Licença Creative Commons Atribuição-NãoComercial-CompartilhaIgual 4.0 Internacional