ACUMULAÇÃO DE BIOMASSA, TEORES E EXTRAÇÃO DE MICRONUTRIENTES EM PLANTAS DE MILHO IRRIGADAS COM ÁGUAS SALINAS

Geocleber Gomes de Sousa, Claudivan Feitosa de Lacerda, Giovana Lopes Silva, Cley Anderson Silva de Freitas, Lourival Ferreira Cavalcante, Carlos Henrique Carvalho de Sousa

Resumo


RESUMO: Em solos salinos a solubilidade de micronutrientes é particularmente baixa, podendo causar desequilíbrio nutricional às plantas e afetar seu crescimento. O objetivo deste trabalho foi avaliar o acúmulo de matéria seca e os efeitos da salinidade da água de irrigação sobre a extração e distribuição de micronutrientes em planta de milho. O experimento foi conduzido em condições de campo, no delineamento em blocos ao acaso, com cinco repetições. Os tratamentos empregados foram: T1 - (CEa de 0,8 dS m-1); T2- água salina ( CEa de 2,2 dS m-1); T3 - água salina (CEa de 3,6 dS m-1) e T - 4 água salina (CEA 5,0 dS m-1). As plantas de milho foram coletadas aos 90 dias após a semeadura, e obtidas à produção de matéria seca e os teores, extração e distribuição de micronutrientes. O estresse salino não proporciona redução da produção de biomassa na planta de milho na parte vegetativa, enquanto na parte reprodutiva esta produção decresce a partir de 2,2 dS m-1. A salinidade das águas aumentou a acumulação de cloreto nas folhas, colmos, sabugo e grãos, no entanto, aumentou os teores de ferro e manganês nos colmos, grãos e sabugos, e os de cobre e zinco nos colmo e sabugos. O aumento da concentração de sais na água de irrigação proporcionou um aumento nos totais extraídos de cloreto, ferro e manganês.

Palavras-chave: Crescimento, Zea mays, Salinidade

Texto completo:

PDF


DOI: https://doi.org/10.25066/agrotec.v31i2.3959

Revista Agropecuária Técnica
ISSN impresso 0100-7467
ISSN online 2525-8990


Este periódico está indexado em:




Índice h (Google Scholar)=14


Licença Creative Commons
Este obra está licenciado com uma Licença Creative Commons Atribuição-NãoComercial-CompartilhaIgual 4.0 Internacional