Uma análise das implicações religiosas sobre o estado laico a partir da candidatura do Dep. Pr. Marco Feliciano em comissões de defesa do projeto Escola sem Partido

Thauana Aparecida Teixeira, Jean Pablo Guimarães Rossi

Resumo


Pretendemos, com este trabalho, discutir sobre Estado laico e sua relação com o Escola sem Partido (ESP) levando em consideração a interferência da memória e tradição religiosa. Para tanto, utilizamos das falas do deputado e pastor Marco Antônio Feliciano, em Comissões de defesa ao ESP, que demonstram a interferência de inclinações religiosas sobre decisões de leis ou projetos de leis que devem seguir o rigor laico. Neste sentido, para compor esta pesquisa, utilizamos vídeos disponíveis na plataforma eletrônica YouTube em que Marco Feliciano discursa e demonstra seu posicionamento frente ao ESP, ao Estado e a sua religiosidade. Ademais, embasamo-nos em teóricos que dissertam sobre laicidade, tradição e memória religiosa e entendem que, compreender o Estado como laico, implica não impor qualquer interferência de cunho religioso na tomada de decisões sobre leis civis. Ao mesmo tempo, isto não indica que a religiosidade não esteja impregnada e que não exerça influência sobre a vida social. Portanto, é imprescindível analisar rigorosamente tanto os discursos religiosos quanto os laicos, a fim de investigar à quais demandas estes estão atendendo.

Palavras-chave


Escola sem Partido; Estado laico; memória e tradição religiosa.

Texto completo:

PDF


DOI: https://doi.org/10.22478/ufpb.2317-0476.2018v8n2.42068



ISSN: 2317-0476
r.diversidadereligiosa@gmail.com