UTOPIAS E REGULAÇÕES DE UMA BASE NACIONAL COMUM CURRICULAR: projeções ficcionais para juventudes ideais

William de Goes Ribeiro

Resumo


Este texto trata dos sentidos postos em disputa pela Base Nacional Curricular Comum, a qual projeta identificações (discente e docente) a partir de objetivos de aprendizagem/ de competências e habilidades preestabelecidas. Discute, portanto, as operações saber-poder que estão em um jogo no qual se restringe a educação ao reconhecimento do já dado, suposto como patrimônio cultural essencial para todos. O projeto de educação básica reinscreve processos complexos de hibridização com discursos variados, visando adesão em múltiplos contextos, com fragmentos que vão desde o progressivismo à teoria crítica, submetidos pela reedição de um viés instrumental. Nesse sentido, a diferença é posta à margem pelo instituído no qual o jovem precisa se adequar. Já com relação aos efeitos na escolarização, a autoavaliação, a responsabilização e a cobrança recaem sobre os indivíduos, exigindo deles uma adequação constante como garantia de empregabilidade em um mundo produtivo sempre em mudança. Parece não haver novidades, mas a pesquisa talvez nos permita perceber e explorar um pouco mais o projeto moralizador que está em curso.


Texto completo:

PDF

Referências


ALVES, Nilda. Sobre a possibilidade e a necessidade de uma base nacional comum. Revista E-Curriculum, São Paulo, v.2, n.3, p.1464-1479, out./dez., 2014.

ANPED. Exposição de motivos sobre a Base Nacional Comum Curricular. Disponível em:http://www.anped.org.br/sites/default/files/resources/Of_cio_01_2015_CNE_BNCC.pdf. Acessado em 24 de setembro de 2016.

APPADURAI. Ajur. Dimensões culturais da globalização. Lisboa: Editorial Teorema, 2004.

BALL, Stephen J. Educação Global S. A.: novas redes de políticas e o imaginário neoliberal. Tradução de Janete Bridon. Ponta Grossa: UEPG, 2014.

BRASIL. Estatuto da criança e do adolescente: Lei federal nº 8069, de 13 de julho de 1990. 7 ed. Rio de Janeiro: DP&A, 2006.

BRASIL. Lei 13.005, de 25 de junho de 2014. Aprova o Plano Nacional de Educação - PNE e dá outras providências. Brasília, 2014.

BRASIL. Ministério da Educação. Base Nacional Comum Curricular. Proposta preliminar. Primeira versão (consulta pública). Brasília: MEC, 2015. Disponível em:http://basenacionalcomum.mec.gov.br/documentos/bncc-1versao.pdf. Acesso em:25 abr. 2017.

BRASIL. Ministério da Educação. Base Nacional Comum Curricular. Proposta encaminhada ao Conselho Nacional de Educação. Terceira versão (consulta pública). Brasília:MEC,2017.Disponívelem:http://basenacionalcomum.mec.gov.br/images/BNCC_publicacao.pdf. Acesso em:25 abr. 2017.

BHABHA, Homi K. O local da cultura. Tradução de Myriam Ávila, Eliana Lourenço de Lima Reis e Gláucia Renate Gonçalves. Belo Horizonte: Ed. UFMG, 1998.

_____. Nuevas minorias, nuevos derechos: Notas sobre cosmopolitismos vernáculos. 1a ed. Buenos Aires: Siglo Veintuiuno Editores, 2013.

COSTA, Thais Almeida. A noção de competência enquanto princípio de organização curricular. Revista Brasileira de Educação, Campinas, n. 29, p. 52- 63, maio/ ago. 2005.

CUNHA, Érika Virgínio Rodrigues da; LOPES, Alice Casimiro. Base nacional comum curricular no Brasil: regularidade na dispersão. Investigation Cualitativa, v. 2, n. 2, p. 23-35, 2017.

DERRIDA, Jacques. O monolinguismo do outro ou a prótese de origem. Trad. Fernanda Bernardo. Belo Horizonte (MG): Chão da feira, 2016.

_____. Limited INC. Trad. Constança Marcondes Cesar.

Campinas, SP: Papirus, 1991.

DIAS, Rosanne Evangelista; LOPES, Alice Casimiro. Competências na formação de professores no Brasil: o que (não) há de novo. Educ. Soc., Campinas, v. 24, nº. 85, p. 1155-1177, dez. 2003.

FREITAS, Luiz Carlos de. BNCC: sob nova direção. Disponível em: https:// avaliacaoeducacional.com/2016/05/31/bncc-sob-nova-direcao/.Acesso em 24 de setembro de 2016.

LACLAU, Ernesto A. Emancipação e diferença. Coordenação e revisão técnica geral. Alice Casimiro Lopes e Elizabeth Macedo. Rio de Janeiro: EdUERJ, 2011.

_____. Razão Populista. Trad. Carlos Eugênio Marcondes de Moura. São Paulo: Três Estrelas, 2013.

LACLAU, Ernesto A.; MOUFFE, Chantal. Hegemonia e Estratégia Socialista. São Paulo: Intermeios; Brasília: CNPq, 2015.

LEITE, Miriam. Em desconstrução: textos e contextos na educação escolar do jovem mais jovem. In: LEITE, Miriam e GABRIEL, Carmen Teresa. Linguagem, Discurso, Pesquisa e Educação. Petrópolis, RJ: De Petrus; Rio de Janeiro: FAPERJ, 2015, p. 321- 350.

LOPES, Alice Casimiro. Discursos nas políticas de currículo. Currículo sem Fronteiras, v. 6, n. 2, p. 33- 52, jul./ dez., 2006.

LOPES, Alice Casimiro; LÓPEZ, Silvia Braña. A performatividade nas políticas de currículo: o caso do ENEM. Educação em Revista, Belo Horizonte, v.26, n. 1, p. 89- 110, abr. 2010.

LOPES, Alice Casimiro; MACEDO, Elizabeth. Teorias de currículo. São Paulo: Cortez, 2011.

MACEDO, Elizabeth. Por uma política da diferença. Cadernos de Pesquisa, v. 36, n. 128, maio/ago. 2006a.

_____. Currículo como espaço-tempo de fronteira cultural. Revista Brasileira de Educação, Campinas, v.11, n. 32, p. 285- 372, maio/ ago. 2006b.

______. Como a diferença passa do centro às margens nos currículos: o exemplo dos PCN. Educ. Soc., Campinas, vol. 30, n. 106, p. 87-109, jan./abr. 2009.

_____. Base Nacional Curricular Comum: novas formas de sociabilidade produzindo sentidos para educação. Revista E-Curriculum, São Paulo, v.2, n.3, p.1530-1555, out./dez., 2014.

_____. Base Nacional Comum para currículos: direitos de aprendizagem e desenvolvimento para quem? Educ. Soc., Campinas, v. 36, nº. 133, p. 891-908, out.-dez. 2015.

_____. Base Nacional Curricular Comum: a falsa oposição entre conhecimento para fazer algo e conhecimento em si. Educação em Revista, Belo Horizonte, v.32, n.02, p. 45-67, abr./ jun., 2016.

_____. As demandas conservadoras do Movimento Escola Sem Partido e a Base Nacional Curricular Comum. Educ. Soc., Campinas, v. 38, nº. 139, p.507-524, abr.-jun., 2017.

RIBEIRO, William de Goes. Remobilizando a pesquisa com o

pós-estruturalismo: quando a diferença faz toda a diferença. Currículo sem Fronteiras, v. 16, n. 3, p. 542- 548, set./ dez., 2016.

_____. Currículo, subjetivação e políticas da diferença: um diálogo com Homi Bhabha. Conjectura: Filos. Educ., Caxias do Sul, v. 22, n. 3, p. 576-597, set./dez. 2017.

RIBEIRO, William de Goes; CRAVEIRO, Clarissa Bastos. Precisamos de Uma Base Nacional Comum Curricular? Linhas Críticas, Brasília, v. 23, n. 50, p. 51- 69, fev./maio, 2017.

RIBEIRO, William de Goes; AZEVEDO-LOPES, Ronnielle. Conhecimento-investimento e currículo meritocrático: a projeção utópica liberal da “cultura de excelência” à política curricular no Brasil. Currículo sem Fronteiras, v. 17, n. 3, p. 659-677, set./dez. 2017.




DOI: https://doi.org/10.22478/ufpb.1983-1579.2019v12n1.38784

Direitos autorais 2019 Revista Espaço do Currículo

Licença Creative Commons
Esta obra está licenciada sob uma licença Creative Commons Atribuição 4.0 Internacional.







Este periódico está indexado nas bases: