GRUPOS DE REFLEXÃO SOBRE GÊNERO COM HOMENS ACUSADOS DE VIOLÊNCIA DOMÉSTICA: PERCEBENDO VULNERABILIDADES E REPENSANDO POLARIZAÇÕES

Autores

  • Vívian Lorea Zorzella
  • Elisa Girotti Celmer Universidade Federal do Rio Grande – FURG

Palavras-chave:

Violência contra a mulher. Homem agressor. Grupos reflexivos de gênero. Vulnerabilidade

Resumo

Este artigo tem por desígnio desconstituir o conceito dualista de agressor/carrasco-ofendida/vítima, no contexto da violência doméstica. Para tanto, centra-se na transmutação do olhar repressor para o pedagógico em relação aos homens autores de violência, como forma de garantir maior eficácia das políticas públicas de combate à violência contra a mulher. Destaca-se, ainda, a violência contra a mulher como um problema de saúde pública, bem como a visão estereotipada sobre papéis de gênero, demonstrando a problemática da conivência da sociedade com comportamentos agressivos contra a mulher e sua dificuldade em reconhecê-los como violência. Ademais, pretende-se corroborar o entendimento de que a implementação de programas de atendimento visando à educação e reflexão dos homens autores de agressão deve passar a ser uma prioridade do Estado lato sensu e não uma mera possibilidade trazida pela Lei 11.340/06.

Downloads

Não há dados estatísticos.

Biografia do Autor

Vívian Lorea Zorzella

Pós-graduanda em Direito Público pela Escola Superior da Magistratura Federal – ESMAFE/RS. Advogada. Bacharela em Direito pela Universidade Federal do Rio Grande - FURG. Endereço: Rua Aquidaban, n.º 745 A, Centro, Rio Grande/RS – CEP 96200-480

Elisa Girotti Celmer, Universidade Federal do Rio Grande – FURG

Doutoranda em Sociologia pela UFRGS. Mestre em Ciências Criminais pela PUCRS. Professora Assistente da Universidade Federal do Rio Grande – FURG. Endereço: Av. Itália, Km 8, Bairro Carreiros, Rio Grande/RS – CEP 96203-900.

Referências

Acosta, Fernando. et al. Conversas homem a homem: grupo reflexivo de gênero: metodologia. - Rio de Janeiro: Instituto Noos, 2004.

Alves, Andréa Matias; Coura-Filho, Pedro. Avaliação das ações de atenção às mulheres sob violência no espaço familiar, atendidas no Centro de Apoio à Mulher (Belo Horizonte), entre 1996 e 1998. Ciênc. saúde coletiva, Rio de Janeiro, v. 6, n. 1, 2001. Consultado a 09.07.2014, em http://www.scielo.br/scielo.php?script=sci_arttext&pid=S1413-81232001000100020&lng=en&nrm=iso.

Andrade, Vera Regina Pereira de. Da mulher como vítima à mulher como sujeito. In: Campos, Carmen Hein de (Org.). Criminologia e feminismo. Porto Alegre: Sulina, 1999, 105-117.

Brandão, Elaine Reis. Juventude, sexualidade e gênero: mudanças e permanências. In: Taquette, Stella Regina (Org.). Violência contra a mulher adolescente/jovem. Rio de Janeiro: Eduerj, v. 49-54, 2007.

Brasil. Secretaria de Políticas para as Mulheres. Diretrizes Gerais dos Serviços de Responsabilização e Educação do Agressor. 2011. Consultado a 24.06.2014, em http://www.compromissoeatitude.org.br/wp-content/uploads/2014/01/Diretrizes-Gerais-dos-Servicos-de-Responsabilizacao-e-Educacao-do-Agressor.pdf.

Brasil, Presidência da República, Secretaria Especial de Políticas para as Mulheres. Lei Maria da Penha Lei n.º 11.340 de 7 de agosto de 2006 – Coíbe a violência doméstica e familiar contra a Mulher. Brasília: A Secretaria, 2006.

Brasil. Secretaria de Políticas para as Mulheres. Política Nacional de Enfrentamento à Violência contra as Mulheres. 2011. Consultado a 24.06.2014, em http://spm.gov.br/subsecretaria-de-enfrentamento-a-violencia-contra-as-mulheres/pacto/documentos/politica-nacional-enfrentamento-a-violencia-versao-final.pdf.

Brasil. Secretária Especial de Políticas para Mulheres e Subsecretária de Enfrentamento à Violência contra as Mulheres. Proposta para Implementação dos Serviços de Responsabilização e Educação dos Agressores. 2009. Consultado a 25.06.2014, em http://spm.gov.br/convenios/roteiro-elaboracao-projetos-2009-1.pdf.

Campos, Carmen Hein de; Carvalho, Salo. Tensões Atuais entre a Criminologia Feminista e a Criminologia Crítica: a experiência brasileira. In: Campos, Carmen Hein de. (Org.) Lei Maria da Penha: comentada em uma perspectiva jurídico-feminista. Rio de Janeiro: Lúmen Juris, 2011.

Celmer, Elisa Girotti. Violência contra a mulher, produção legislativa e discurso punitivo - um estudo sobre a Lei Maria da Penha (11.340/06). In: Âmbito Jurídico, Rio Grande, X, n. 42, jun 2007.

Coelho, Sandra Maria Pinheiro de Freitas; Carloto, Cássia Maria. Violência doméstica, homens e masculinidades. Textos & Contextos, Porto Alegre, v. 6, n. 2, 2007. Consultado a 15.01.2014, em http://revistaseletronicas.pucrs.br/fass/ojs/index.php/fass/article/view/2333.

Costa, Francisco Pereira (Org.). Lei Maria da Penha: aplicação e eficácia no combate à violência de gênero. Rio Branco- AC: Edufac, 2008.

Faleiros, Eva. Violência de gênero. In: Taquette, Stella Regina. (Org.). Violência contra a mulher adolescente/jovem. Rio de Janeiro: Eduerj, v. 61-66, 2007.

Gregori, Maria Filomena. Cenas e Queixas: Um Estudo sobre Mulheres, Relações Violentas e a Prática Feminista. Rio de Janeiro, Paz e Terra, 1993.

Hanna, Cheryl. No right to choose: Mandated victim participation in domestic violence prosecutions. Harvard Law Review, vol.109, 1850-1910, 1996.

Instituto Noos. Prevenção e atenção à violência intrafamiliar e de gênero: apoio às lideranças comunitárias/Instituto Noos. - Rio de Janeiro: Instituto Noos, 2010.

Kirchheimer, Otto; Rusche, Georg. Punição e estrutura social. Coleção Pensamento Criminológico. 2. ed. Rio de Janeiro: Instituto Carioca de Criminologia: Revan, 2009.

Larrauri, Elena. Mujeres y Sistema Penal: violencia doméstica. Buenos Aires: B de F Editora, 2008.

Osterne, Maria do Socorro Ferreira; Silveira, Clara Maria Holanda. Relações de gênero: uma construção cultural que persiste ao longo da história. O público e o privado - Nº 19 - 101-121, Janeiro/Junho, 2012.

Oviedo, Rafael Antônio Malagón; Czeresnia, Dina. O conceito de vulnerabilidade e seu caráter biossocial. Interface (Botucatu), Botucatu, v. 19, n. 53, p. 237-250, jun 2015. Consultado a 14.12.2015, em http://www.scielo.br/scielo.php?script=sci_arttext&pid=S1414-32832015000200237&lng=en&nrm=iso.

Soares, Bárbara Musumeci. A 'conflitualidade' conjugal e o paradigma da violência contra a mulher. Dilemas: Revista de Estudos de Conflito e Controle Social, v., 2012, 198.

______. Enfrentamento da violência contra mulheres: impasses e desafios. In: Taquette, Stella Regina (Org.). Violência contra a mulher adolescente/jovem. Rio de Janeiro: Eduerj, 73-80, 2007.

Publicado

2016-05-03

Como Citar

ZORZELLA, V. L.; CELMER, E. G. GRUPOS DE REFLEXÃO SOBRE GÊNERO COM HOMENS ACUSADOS DE VIOLÊNCIA DOMÉSTICA: PERCEBENDO VULNERABILIDADES E REPENSANDO POLARIZAÇÕES. Gênero & Direito, [S. l.], v. 5, n. 1, 2016. Disponível em: https://www.periodicos.ufpb.br/index.php/ged/article/view/28714. Acesso em: 18 jun. 2024.

Edição

Seção

Direitos Humanos e Políticas Públicas de Gênero