TECNOLOGIAS DA INFORMAÇÃO E COMUNICAÇÃO NO ENSINO SUPERIOR DA EDUCAÇÃO EM DIREITOS HUMANOS

INFORMATION AND COMMUNICATION TECHNOLOGIES IN HIGHER EDUCATION IN HUMAN RIGHTS EDUCATION

Autores

DOI:

https://doi.org/10.22478/ufpb.2359-7003.2018v27n2.37024

Palavras-chave:

Educação em Direitos Humanos., Tecnologias da informação e comunicação., Ensino superior., Direitos fundamentais., Ensino jurídico.

Resumo

Considerando o avanço da ciência nos últimos anos, bem como os acontecimentos históricos que consolidaram no corpo jurídico-normativo alguns direitos elementares aos seres humanos, este artigo aborda a utilização das tecnologias da informação e comunicação (TIC) na Educação em Direitos Humanos (EDH) no ensino superior. A EDH é vista como ponto de partida para a obtenção de efetividade aos direitos fundamentais. Por outro lado, as TIC se apresentam como ferramentas aptas ao fomento de metodologias ativas e estratégias didáticas coerentes com uma formação jurídica adequada e articulada com a realidade contemporânea. O objetivo deste artigo é elencar e descrever as possibilidades de aplicação das TIC como estratégias didáticas à docência universitária, que visa facilitar o processo de ensino-aprendizagem e apresenta, aos estudantes, lições sólidas sobre direitos humanos fundamentais, entre os quais se insere o direito à educação. Por meio de revisão bibliográfica, foram reunidos diversos referenciais teóricos sobre a matéria, com a utilização do método descritivo, sendo a pesquisa efetivada, quanto à abordagem, de forma qualitativa.

Downloads

Não há dados estatísticos.

Biografia do Autor

Nigel Stewart Neves Patriota Malta, Universidade Federal de Alagoas (Ufal)

Doutorando em Educação pela Universidade Federal de Alagoas (Ufal). Mestre em Direito pela Universidade Federal de Alagoas (Ufal). Bacharel em Direito pelo Centro Universitário CESMAC. Pós-graduado (lato sensu) em Formação para a Docência do Ensino Superior pelo Centro Universitário CESMAC; e em Direito Penal pela Faculdade Damásio. Aprovado no XV Exame de Ordem Unificado - OAB (2014). Servidor público no Tribunal de Justiça de Alagoas - TJAL. Integrante do Grupo de Pesquisa TICFORPROD - Tecnologias da Informação e Comunicação na Formação de Professores Presencial e a Distância Online.
Lattes: http://lattes.cnpq.br/3983490925456375

Luis Paulo Leopoldo Mercado, Universidade Federal de Alagoas (Ufal)

Doutor em Educação pela Pontifícia Universidade Católica de São Paulo. Bacharel em Direito pelo Centro Universitário CESMAC. Professor Titular da Universidade Federal de Alagoas (Ufal). Maceió, AL – Brasil. E-mail: luispaulomercado@gmail.com. Líder do Grupo de Pesquisa TICFORPROD - Tecnologias da Informação e Comunicação na Formação de Professores Presencial e a Distância Online.
Lattes: http://lattes.cnpq.br/5780536667755396

Referências

ABRANTES, Laís M. Democracia e estado de direito no Brasil: o problema da inefetividade dos direitos fundamentais no país. Revista Direitos Humanos e Democracia. Editora Unijuí: ano 4, n. 8, jul./dez. 2016, p. 117-140. Disponível em: <https://www.revistas.unijui.edu.br/index.php/direitoshumanosedemocracia/article/view/5840/5120>. Acesso em: 10 fev 2017.

ARAÚJO, Ulisses F.; AQUINO, Julio G. Os direitos humanos na sala de aula: a ética como tema transversal. São Paulo: Moderna, 2001.

ASSIS, Cleber L. Educação em Direitos Humanos e o mal-estar em educar na pós-modernidade: uma discussão interdisciplinar a partir da psicanálise. Revista Direitos Humanos e Democracia. Editora Unijuí: ano 2, n. 3, jan./jun. 2014, p. 158-176. Disponível em: <https://www.revistas.unijui.edu.br/index.php/direitoshumanosedemocracia/article/view/2207/2622>. Acesso em: 10 fev 2017.

BARROSO, Luís R. A dignidade da pessoa humana no direito constitucional contemporâneo: a construção de um conceito jurídico à luz da jurisprudência mundial. Belo Horizonte: Fórum, 2016.

BOMFIM, Georgina M. A responsabilidade internacional do Brasil quanto ao direito à educação: estudo do segundo relatório de monitoramento enviado pelo país. In: LINS JÚNIOR, George S. et al (org). Pacto Internacional dos Direitos Econômicos, Sociais e Culturais: da previsão normativa à efetividade no Brasil. Rio de Janeiro: Lumen Juris, 2014.

BOMFIM, Georgina M. Educação em direitos humanos: análise da política pública à luz da sociedade aberta dos intérpretes constitucionais. Rio de Janeiro: Lumen Juris, 2015.

BONAVIDES, Paulo. Teoria constitucional da democracia participativa. São Paulo: Malheiros, 2001.

BRASIL, Comitê nacional de Educação em Direitos Humanos. Plano Nacional de Educação em Direitos Humanos. Brasília: SEDH/MEC/MJ/Unesco, 2006.

BRASIL. Comitê Nacional de Educação em Direitos Humanos. Plano Nacional de Educação em Direitos Humanos. Brasília: Secretaria Especial dos Direitos Humanos, Ministério da Educação, Ministério da Justiça, Unesco, 2007. Disponível em: <http://portal.mec.gov.br/index.php?option=com_docman&view=download&alias=2191-plano-nacional-pdf&category_slug=dezembro-2009-pdf&Itemid=30192>. Acesso em: 10 fev de 2017.

BRASIL. MEC. Resolução nº. 1, de 30 de março de 2012: estabelece Diretrizes Nacionais para a Educação em Direitos Humanos. Conselho Nacional da Educação (Pleno). 2012. Disponível em: <http://portal.mec.gov.br/index.php?option=com_docman&view=download&alias=10889-rcp001-12&category_slug=maio-2012-pdf&Itemid=30192>. Acesso em: 10 fev 2017.

BRASIL. Planalto. Constituição da República Federativa do Brasil de 1988. Disponível em: <http://www.planalto.gov.br/ccivil_03/constituicao/constituicaocompilado.htm>. Acesso em: fev 2017.

BRASIL. Planalto. Lei nº 8.906, de 4 de julho de 1994, dispõe sobre Estatuto da Advocacia e a OAB. Disponível em: <http://www.planalto.gov.br/ccivil_03/leis/L8906.htm>. Acesso em: 10 fev 2017.

BRASIL. Planalto. Lei nº 9.394, de 20 dezembro de 1996: estabelece as diretrizes e bases da educação nacional. Disponível em: <http://www.planalto.gov.br/ccivil_03/leis/L9394.htm>. Acesso em: 10 fev 2017.

BRASIL. Presidência da República. Documentos internacionais: direitos humanos. Brasília: Secretaria Especial de Direitos Humanos, 2006.

BRASIL. Programa Nacional de Educação em Direitos Humanos. Decreto nº 7.037, de 21 de dezembro de 2009. Disponível em: <http://www.planalto.gov.br/ccivil_03/_ato2007-2010/2009/decreto/d7037.htm>. Acesso em: 10 fev 2017.

CANDAU, Vera M. (org.). Oficinas pedagógicas de Direitos Humanos. 5.ed. Petrópolis: Vozes, 2003.

CANDAU, Vera M.; SACAVINO, Susana (orgs). Educar em Direitos Humanos: construir democracia. Rio de Janeiro: DP&A, 2000.

CASSEL, Deise; CORRÊA, Juciani. O uso das TICs na educação de jovens e adultos. Centro Universitário Franciscano - UNIFRA. Santa Maria, 2012. Disponível em: <http://jne.unifra.br/artigos/4815.pdf>. Acesso em: 10 fev 2017.

CLÈVE, Clèmerson M. Para uma dogmática constitucional emancipatória. Belo Horizonte: Fórum, 2012.

COLL, César; MAURI, Teresa; ONRUBIA, Javier. A incorporação das tecnologias da informação e comunicação na educação: do projeto técnico-pedagógico às práticas de uso. In: COLL, Cesar; MONEREO, Carles et al. Psicologia da educação virtual: aprender e ensinar com as tecnologias da informação e da comunicação. Porto Alegre: Artmed, 2010.

COUTO, Juliano C. Fim do Exame de Ordem prejudicará mais o cidadão do que o advogado. Revista Consultor Jurídico (ConJur), 2015. Disponível em: <http://www.conjur.com.br/2015-ago-13/juliano-couto-fim-exame-ordem-prejudicara-todos-cidadaos>. Acesso em: 10 fev 2017.

DIAS, Adelaide A. A escola como espaço de socialização da cultura em Direitos Humanos. In: ZENAIDE, Maria N. et al. Direitos Humanos: capacitação de educadores. Vol 2. João Pessoa: Edufpb, 2008, p. 157-162.

DORNELLES, José R. O desafio da Educação em Direitos Humanos. Cadernos Nuevamérica, n. 78. Rio de Janeiro, 1998.

FERNANDES, Angela V.; PALUDETO, Melina C. Educação e direitos humanos: desafios para a escola contemporânea. Cad. CEDES, Campinas, v. 30, n. 81,ago. 2010 p. 233-249. Disponivel em:< http://www.scielo.br/pdf/ccedes/v30n81/a08v3081.pdf>. Acesso em 20 mar 2017.

FERNANDES, Hugo. Um exército de doutores desempregados. Tribuna do Ceará. Tribuna Científica, 2016. Disponível em: <http://tribunadoceara.uol.com.br/blogs/tribuna-cientifica/ciencia-e-politica/um-exercito-de-doutores-desempregados>. Acesso em: 10 fev 2017.

FREIRE, Paulo. Pedagogia do oprimido. 37.ed. Rio de Janeiro: Paz e Terra, 2003.

FREITAS, Vladimir P. Excesso de faculdades de Direito implode o mercado de trabalho. Revista Consultor Jurídico (ConJur), 2015. Disponível em: <http://www.conjur.com.br/2015-set-06/segunda-leitura-excesso-faculdades-direito-implodem-mercado-trabalho>. Acesso em: 10 fev 2017.

GRINSPUN, Mirian P. A orientação educacional: conflito de paradigmas e alternativas para a escola. São Paulo: Cortez, 2002.

GUIA DO ESTUDANTE. Brasil tem mais cursos de Direito do que todos os outros países do mundo juntos. Guia do Estudante. São Paulo: Abril, 2016. Disponível em: <http://guiadoestudante.abril.com.br/universidades/brasil-tem-mais-cursos-de-direito-do-que-todos-os-outros-paises-do-mundo-juntos>. Acesso em: 10 fev 2017.

LIMA JUNIOR, Jaime B. Os direitos econômicos, sociais e culturais como Direitos Humanos: uma justificação. Dissertação (Mestrado) – Universidade Federal de Pernambuco, Recife, 2000.

LINS JÚNIOR, George S. A Educação em Direitos Humanos e a reconstrução da cidadania brasileira. dez., 2012. Disponível em: <http://www.georgesarmento.com.br/wp-content/uploads/2011/02/Educação-em-Direitos-Humanos-e-a-promoção-da-cidadania-brasileira2.dotx>. Acesso em: 10 fev 2017.

LINS JÚNIOR, George S. As gerações dos direitos humanos e os desafios da efetividade. Out., 2013. Disponível em: <http://www.georgesarmento.com.br/wp-content/uploads/2011/02/Gera%C3%A7%C3%B5es-dos-direitos-humanos-e-os-desafios-de-sua-efetividade1.pdf>. Acesso em: 10 fev 2017.

MALTA, Nigel S. Análise do exame de ordem diante da situação vivenciada no estado de Alagoas: a necessidade de avaliação profissional externa dos cursos de Direito. Monografia (artigo) de conclusão de pós-graduação (lato sensu) em formação para a docência do ensino superior no Centro Universitário CESMAC, Maceió, 2017.

MARINHO, Simão P. Blog na educação e manual básico do blogger. 3.ed. Pontifícia Universidade Católica de Minas Gerais, Programa de Pós-graduação em Educação: 2007. Disponível em: <http://www.ich.pucminas.br/pged/db/txt/marinho_manualblog_v3P2.pdf>. Acesso em: 10 fev 2017.

MARTINS, Catarina F. Quando a escola deixar de ser uma fábrica de alunos. Revista Público: Portugal, 2013. Disponível em: <https://www.publico.pt/temas/jornal/quando-a-escola-deixar-de-ser-uma-fabrica-de-alunos-27008265>. Acesso em: 10 fev 2017.

MASETTO, Marcos T. Professor universitário: um profissional da educação na atividade docente. In: MASETTO, Marcos T. (org.) Docência na universidade. Campinas: Papirus, 1998.

MAZZUOLI, Valério O. Controle concentrado de convencionalidade tem singularidades no Brasil. ConJur, 2015. Disponível em: <http://www.conjur.com.br/2015-abr-24/valerio-mazzuoli-controle-convencionalidade-singularidades>. Acesso em: 10 fev 2017.

MERCADO, Luis P. Formação docente e novas tecnologias. IV Congresso RIBIE. Brasilia, 1998. Disponível em: <http://www.ufrgs.br/niee/eventos/RIBIE/1998/pdf/com_pos_dem/210M.pdf>. Acesso em: 10 fev 2017.

MERCADO, Luis P. Metodologias de ensino com tecnologias da informação e comunicação no ensino jurídico. Avaliação, Campinas: Sorocaba, v. 21, n. 1, p. 263-299, mar. 2016. SciELO. Disponível em: <http://www.scielo.br/pdf/aval/v21n1/1414-4077-aval-21-01-00263.pdf>. Acesso em: 10 fev 2017.

MERCADO, Luis P. Tecnologias digitais e educação a distância: letramento digital e formação de professores. In: CAVALCANTE, Maria M.; SALES, José A.; FARIAS, Isabel M.; LIMA, Maria S. (Org.). Didática e prática de ensino: diálogos sobre a escola, a formação de professores e a sociedade. Fortaleza: EdUECE, 2015, v. 4, p. 328-346. Disponível em: <http://www.uece.br/endipe2014/ebooks/livro4/21.%20TECNOLOGIAS%20DIGITAIS%20E%20EDUCA%C3%87%C3%83O%20A%20DIST%C3%82NCIA_%20LETRAMENTO.pdf>. Acesso em: 10 fev 2017.

MERCADO, Luis P.; NEVES, Yara P. A escola como espaço dos Direitos Humanos. In: RIBEIRO, Mara R.; RIBEIRO, Getulio (orgs). Educação em Direitos Humanos e diversidade: diálogos interdisciplinares. Maceió: Edufal, 2012, p. 197-220.

NUNES, Rizzatto. Manual de introdução ao estudo do direito. 9.ed. São Paulo: Saraiva, 2009.

OAB. Brasil, sozinho, tem mais faculdades de Direito que todos os países. Ordem dos Advogados do Brasil – OAB. Distrito Federal: Brasília, 2010. Disponível em: <http://www.oab.org.br/noticia/20734/brasil-sozinho-tem-mais-faculdades-de-direito-que-todos-os-paises>. Acesso em: 10 fev 2017.

OAB. XXII Exame de Ordem Unificado. Conselho Federal da Ordem dos Advogados do Brasil – OAB. Fundação Getulio Vargas (FGV), 2017. Disponível em: <https://fgvprojetos.s3.amazonaws.com/625/02022017092603_2017.1%20(XXII%20EOU)%20-%20Minuta%20final.pdf>. Acesso em: 10 fev 2017.

PAGLIUCA, José C. Direitos humanos. São Paulo: Rideel, 2010.

PEREIRA, Alice T.; SCHMITT, Valdenise; DIAS, Maria R. Ambientes virtuais de aprendizagem. PUC-RS, 2007. Disponível em: <http://www.pucrs.br/famat/viali/tic_literatura/artigos/ava/2259532.pdf>. Acesso em: 10 fev 2017.

PIOVESAN, Flávia. Direitos humanos e o direito constitucional internacional. 15.ed. São Paulo: Saraiva, 2015.

SANCHO, Juana M.; HERNANDEZ, Fernando (Org). Tecnologias para transformar a educação. Porto Alegre: Artmed, 2006.

SANTOS, Boaventura S.; CHAUI, Marilena. Direitos humanos, democracia e desenvolvimento. São Paulo: Cortez, 2013.

SANTOS, Vera L.; PEREIRA, Jasete M.; MERCADO, Luis P. Whatsapp: um viés online como estratégia didática na formação profissional de docentes. Revista Educação Temática Digital – ETD. v. 18 n. 1, p. 104-121 – jan./abr.2016 – Campinas, 2016. Disponível em: <http://periodicos.sbu.unicamp.br/ojs/index.php/etd/article/view/8637398/12229>. Acesso em: 10 fev 2017.

SILVA, Elza M. Ensino de direito no Brasil: perspectivas históricas gerais. Psicol. Esc. Educ. (Impr.), 2000, vol. 4, n. 1, p. 307-312. SciELO. Disponível em: <http://www.scielo.br/pdf/pee/v4n1/v4n1a08>. Acesso em: 10 fev 2017.

STEFANI, Divaldo et. al. Computadores e as redes sociais: um contexto histórico do uso das tecnologias digitais como recurso didático. Anais: IV SINECT - Simpósio Nacional de Ensino de Ciência e Tecnologia, 2014. Disponível em: <http://www.sinect.com.br/2014/down.php?id=3269&q=1>. Acesso em: 10 fev de 2017.

TORRE, Saturnino de la; BARRIOS, Oscar. Curso de formação para educadores. São Paulo: Madras, 2002.

TOSI, Guiseppe (Org.) Direitos humanos: história, teoria e prática. João Pessoa: Edufpb, 2005.

UNESCO. Programa Mundial para Educação em Direitos Humanos: plano de ação. Section of Education for Peace and Human Rights. Division for the Promotion of Quality Education. Education Sector. Paris: França, 2006. Disponível em: <http://www.dhnet.org.br/dados/textos/edh/br/plano_acao_programa_mundial_edh_pt.pdf>. Acesso em: 10 fev 2017.

VALENTE, José A. Apropriação da tecnologia na escola: desafios e perspectivas. Vídeo (6). Fórum Internacional de Educação/Região Metropolitana de Campinas - 1º Fórum de Educação de Paulínia. Campinas: São Paulo, 2011.

VICENTINO, Cláudio; DORIGO, Gianpaolo. História para Ensino Médio: história geral e do Brasil. Volume único. São Paulo: Scipione, 2001.

ZANLORENZI, Eluiza. Considerações sobre o uso de estratégias didáticas: uma visão complexa e ecossistêmica. Revista Vidya, v. 28, n. 2, p. 47-58, jul/dez, 2008 Santa Maria, 2009. Disponível em: <http://www.periodicos.unifra.br/index.php/VIDYA/article/download/342/316>. Acesso em: 10 fev 2017.

ZENAIDE, Maria N. et al. Direitos Humanos: capacitação de educadores – fundamentos culturais e educacionais da educação em direitos humanos. João Pessoa: Edufpb, 2008.

Downloads

Publicado

2018-12-14

Como Citar

MALTA, N. S. N. P.; MERCADO, L. P. L. TECNOLOGIAS DA INFORMAÇÃO E COMUNICAÇÃO NO ENSINO SUPERIOR DA EDUCAÇÃO EM DIREITOS HUMANOS: INFORMATION AND COMMUNICATION TECHNOLOGIES IN HIGHER EDUCATION IN HUMAN RIGHTS EDUCATION. Revista Temas em Educação, [S. l.], v. 27, n. 2, p. 90–118, 2018. DOI: 10.22478/ufpb.2359-7003.2018v27n2.37024. Disponível em: https://www.periodicos.ufpb.br/index.php/rteo/article/view/37024. Acesso em: 23 jan. 2022.

Edição

Seção

ARTIGO DE REVISÃO