Mapeamento arquivístico: uma proposta para diagnóstico de arquivo

Autores

Resumo

A prática empírica pode refletir em uma ciência de modo desfavorável, pois baseia-se unicamente em vivências e faltando-lhe conhecimento científico. Essa prática empírica reflete na comunicação entre os profissionais, pois deixa de utilizar a terminologia específica e adequada. Outra vertente que também interfere na comunicação dos profissionais de determinada área é a carência de terminologia e a sua inexistência de padronização, uma vez que obstruem o desenvolvimento da ciência, assim como dificulta as pesquisas cientificas em torno de determinado assunto. No que concerne a definição de diagnóstico de arquivo, considera-se a definição apresentada nos dicionários que versam sobre a terminologia arquivística um tanto quanto simplista e abrangente. Outro ponto é a pluralidade de termos designados para o fenômeno diagnóstico de arquivo. Diante disso, coloca-se como questão problema desta pesquisa: quais os benefícios da padronização e ampliação da definição de diagnóstico de arquivo à Arquivologia? Propor um termo para padronizar e ampliar a definição de diagnóstico de arquivo é o objetivo geral desta pesquisa. Para atender o problema proposto e alcançar o objetivo geral apresentado, esta pesquisa caracteriza-se como qualitativa, do tipo descritiva, sendo a base principal o levantamento bibliográfico e documental. Como principal resultado identificou-se as variáveis que refletem na composição do arquivo, apresentou-se o termo Mapeamento arquivístico como proposta terminológica para diagnóstico de arquivo, bem como uma definição que segue explanada no texto.

Downloads

Não há dados estatísticos.

Biografia do Autor

Maria Fabiana Izídio de Almeida, Universidade Estadual Paulista Júlio de Mesquita Filho

Arquivista, doutoranda e mestra em Ciência da Informação, área de concentração: Informação, Tecnologia e Conhecimento, linha de pesquisa: Gestão, Mediação e Uso da Informação pela Universidade Estadual Paulista Júlio de Mesquita Filho. Especialista em Gestão de Documentos e Informações: Teoria e Prática Arquivística pela Faculdade Integrada AVM (2012), Técnica Jurídica pelo ETEC Antônio Devisate (2012). Bacharel em Arquivologia pela Universidade Estadual de Londrina (2007).

Marcia Cristina de Carvalho Pazin Vitoriano, Universidade Estadual Paulista Júlio Mesquita Filho

Doutora em História Social pela Universidade de São Paulo, Brasil. Professora da Universidade Estadual Paulista Júlio Mesquita Filho, Brasil.

Downloads

Publicado

23-12-2021

Como Citar

Almeida, M. F. I. de, & de Carvalho Pazin Vitoriano, M. C. (2021). Mapeamento arquivístico: uma proposta para diagnóstico de arquivo : . Perspectivas Em Gestão &Amp; Conhecimento, 11(3), 281–294. Recuperado de https://www.periodicos.ufpb.br/ojs/index.php/pgc/article/view/61580

Edição

Seção

Memória de Evento Científico-Profissional