As SIMBOLOGIAS DA CULTURA SERTANEJA NO ROMANCE A CASA, DE NATÉRCIA CAMPOS

Autores

Palavras-chave:

A Casa, Natércia Campos, Cultura Sertaneja, Cosmovisão, Simbologias

Resumo

Esse artigo objetiva analisar algumas das simbologias presentes no romance A Casa, de Natércia Campos e que se conectam com crenças e cosmovisões presentes na cultura sertaneja cearense. Tal pesquisa se torna relevante na medida que tratamos de uma autora parcamente estudada e que resguarda em sua obra grande arcabouço simbólico. Como metodologia, realizamos uma análise de personagem e temática, analisando passagens do romance e algumas das personas presentes na narrativa, convergindo com uma análise histórico-cultural. Os elementos simbólicos selecionados são as horas e as luas, as trindades, a morte, as águas e o espelho. Dialogamos com Câmara Cascudo (2011, 2009), Liliane Silva (2016), Timbó (2011), dentre outros. A partir da análise, concluímos que as simbologias possuem conexão com os sentimentos e cosmovisões das personagens, influenciando na condução do romance e como elas se percebem no mundo e com as demais pessoas. Esses símbolos ainda se desenvolvem na narrativa a partir de uma compreensão histórico-cultural que elucidam um contínuo social de seus usos e seus meios. Assim, o romance de Natércia Campos se estabelece como uma obra ainda pouco conhecida, mas que elucida, pela perspicácia e particularidades de seu romance, uma relevância ímpar e legítima de ser aqui apresentada e aprofundada.

Downloads

Não há dados estatísticos.

Biografia do Autor

Allan Jonhnatha Sampaio de Paula, Universidade Estadual do Ceará

Licenciado em História pela Faculdade de Educação, Ciências e Letras do Sertão Central (FECLESC) / Universidade Estadual do Ceará (UECE). Pós-graduando nas especializações de Língua Portuguesa e Literatura no Contexto Educacional; Arte, Cultura e Educação e Metodologia do Ensino de História e Geografia e suas Linguagens pelo Centro de Ensino Superior de Maringá (UNICESUMAR). Mestrando em História e Letras pela FECLESC/UECE com bolsa FUNCAP (Fundação Cearense de Apoio ao Desenvolvimento Científico e Tecnológico). Pesquisa nas áreas de Literatura Especulativa, Literatura Cearense e de Língua Inglesa, bem como História Contemporânea, do século XIX à atualidade, História do Brasil e do Ceará. Também trabalha com pesquisas envolvendo Áudio Visual: Cinema e Televisão, Relações Étnico Raciais, de Gênero e Sexualidade. Integrante do grupo de estudos Filhas de Avalon, chancelado pela FECLESC/UECE.

Thalya Amancio do Nascimento, Universidade Estadual do Ceará

Graduada em Letras Língua Portuguesa e suas Literaturas pela Universidade Estadual do Ceará (UECE), campus da Faculdade de Educação, Ciências e Letras do Sertão Central (FECLESC). Pós-graduanda em Língua Portuguesa e Literatura no Contexto Educacional (UNICESUMAR). É professora de Redação, Linguagens e Inglês na rede pública estadual e particular do Ceará (SEDUC, CREDE 14). É também mestranda no Mestrado Interdisciplinar em História e Letras (UECE), campus FECLESC. Pesquisa sobre o romance histórico contemporâneo e a escritora cearense Ana Miranda. Email: thalya.amancio@aluno.uece.br. Currículo Lattes: http://lattes.cnpq.br/0817642441802946.

Downloads

Publicado

2024-03-08

Como Citar

Paula, A. J. S. de, & Nascimento, T. A. do. (2024). As SIMBOLOGIAS DA CULTURA SERTANEJA NO ROMANCE A CASA, DE NATÉRCIA CAMPOS. Revista LiteralMENTE, 4(Especial), 164–180. Recuperado de https://www.periodicos.ufpb.br/ojs/index.php/rl/article/view/68639

Edição

Seção

DOSSIÊ “ESCRITORAS NORDESTINAS OFUSCADAS PELO CÂNONE LITERÁRIO BRASILEIRO"